terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Podemos escolher o que sentimos

Certa vez, ouvi de um sábio chinês que o sentimento não tem tempo. Você pode sentir a mesma coisa que sentiu na infância, com a mesma intensidade e o realismo de quem está sentindo aquilo pela primeira vez.

Sempre pensei nisso pelo lado negativo da balança. A ideia do sábio chinês é de que você tem de resolver os conflitos do passado. Não perdoar, apenas, pró-forma, como se fosse uma concessão ao perdoado. Ao contrário do que muitos pensam, o perdão não é para quem é perdoado. É sobretudo para quem perdoa.

Ao perdoar, mudamos o significado do sentimento, para que a raiva, a tristeza,  o rancor e o ressentimento deixem de nos machucar - o que os psicólogos chamam de "re-significação".

Se você não resolve sentimentos conflituosos do passado, esse passivo de sentimentos venenosos vai  se acumulando. A pessoa fica rancorosa, amargurada, e até doente.

Perdoar significa perder essa carga ruim que vamos acumulando quando não resolvemos sentimentos negativos que vão surgindo ao longo da vida. Perdoar deixa quem perdoa mais leve. Você esquece, deixa de sentir. E isso traz saúde.

Há também o outro lado. Se o sentimento não morre, assim também é o amor. Você pode amar uma pessoa com quem viveu há muito tempo atrás. O sentimento vem, volta, parece que renasce. Mas é que ele nunca saiu de lá.

Uma história de amor não vai embora. A menos que você a apague. Mas, nesse caso, talvez fosse melhor não apagar. Todo amor é algo para se lembrar.

O coração é grande. Quem teve mais de um filho sabe como é possível amar muito a mais que uma pessoa e da mesma forma. Cabe muita gente num só coração. Porque com o amor romântico seria diferente?

Não se apaga um antigo amor. Mas podemos lidar com ele também de forma diferente. Para poder seguir adiante. para mudar de vida. Basta re-significá-lo.

Todas as pessoas da sua vida ficam com o seu lugar. Na tapeçaria dos sentimentos, ajudam a formar a trama de quem somos. Há belos tapetes de um só fio. Há tramas com fios e cores diferentes e que rendem desenhos complexos. Todos podem ser belos.

Um homem é quem ele nasce, o que ele aprende, mais a soma de suas experiências. Podemos escolher também o que sentimos. Para nos aproximar dos sábios chineses, de sabedoria tão grande quanto seus bigodes proverbiais.


A Conquista do Brasil nos lembra de conquistar o mundo

Lançado pela editora Planeta de Portugal em outubro passado, A Conquista do Brasil segue com velas enfunadas em águas portuguesas. É um prazer estar na mesma editora portuguesa que tem em seu catálogo autores brasileiros como Lya Luft, Edney Silvestre e Fernando Morais. Grande editora também em Portugal, possui um vasto portfólio, que vai de ficcionistas tão diferentes quanto Jo Nesbo, Carlos Ruiz Zafón e Rick Riodan a personalidades sagradas ou consagradas como Nelson Mandela e o Papa Francisco.
A capa da edição portuguesa

Quando estive em Lisboa, na volta de uma feira do livro em Frankfurt, me dei conta de como era despropositado Portugal ter sido o último país da Europa que conheci. Distante no extremo da península, é uma Europa isolada e única, onde, estranhamente, se falava português.

Eu me sentia curiosamente em casa. A arquitetura lembrava o Brasil colônia: aquelas janelas retangulares, que em Portugal são de pedra branca e no Brasil, onde não havia pedra igual, se utilizou a madeira brasileira,  moldou o jeito de morar e ser do colonizador e nos deu uma herança cultural única no mundo.

Sobretudo, vi em Lisboa algo da educação que recebi de família. Os portugueses são tão cuidadosos que o ônibus anuncia a parada a cada minuto. "Dois minutos para a estação tal... Um minuto para a estação tal... Estação tal".

Os portugueses são europeus no sentido clássico da palavra, educados, cultos e discretos. E seu vinho e sua cozinha são tão familiares quanto deliciosos. Assim como na Itália, eu podia entrar em qualquer restaurante e escolher o prato correndo o dedo no cardápio de olhos fechados.

A Conquista do Brasil me mostrou como esse antigo elo ainda é profundo. Ele não está no passado. Está no dia a dia, no sangue, nos hábitos. Em alguns vícios, também. É uma conexão que nos interessa. Pode nos ajudar a compreender a nós mesmos, e poderia nos ajudar a crescer, a nos lançar também ao mundo, com as caravelas contemporâneas.

O Brasil vive muito preso em si mesmo, tentando resolver sempre as mesmas questões, sem olhar para fora. Temos de ser mais ousados, mais conquistadores, como os antepassados que aportaram nas praias brasileiras, afrontando tantos perigos. O Brasil precisa ser maior. Só assim será melhor também aqui dentro. Para isso, é preciso antes de mais nada querer conquistar o mundo. E atravessar o mar.



A tragédia brasileira


A palavra "tragédia" vem do seu original grego, trag-oidos, que quer dizer "o canto do bode". Isto porque, na Grécia antiga, o teatro saiu das antigas festas, onde os participantes cantavam e dançavam fantasiados de sátiros, homens com pernas peludas, patas e chifres de bode, símbolo masculino da depravação. Até que Téspis teve a idéia de colocar um "ator" para dialogar com o coro. Assim surgiu o teatro, que os grandes dramaturgos gregos como Ésquilo carregaram com as máscaras e conteúdo dramáticos. Daí a tragédia ganhou a conotação de catástrofe humana, no sentido mais amplo, como a entendemos agora.

Tudo isso para dizer que 2016 foi o ano de glória da tragédia brasileira. Como a tragédia grega, começou como festa: a lambança patrocinada pelo PT, seja com a distribuição descontrolada de benefícios à população carente, gerando uma bolha econômica de estouro previsível, seja com o saque puro e simples do erário para encher a burra do partido, de seus associados e um grupo seleto de empresários que, assim, acabaram todos atirando no próprio pé.

O conjunto da obra resultou na bancarrota do Estado brasileiro e na geração da crise que contabilizou já este ano cerca de 13 milhões de desempregados, para ficar no número até agora quantificável. Enquanto o povo estava satisfeito com com sua parte do butim, o governo corrupto continuou popular. Agora, na crise absoluta, os brasileiros vibram cada vez que vai um para a cadeia. Mas não há o que comemorar, nem como vingança.

A conta gerada pelos inconsequentes vai levar tempo para pagar. O governo do PT caiu, mas a tragédia não se encerrou aí, porque caiu o PT, mas ficaram os seus sócios. Num governo que em um breve tempo já teve um bom pedaço de seu ministério defenestrado também por corrupção, o novo presidente Michel Temer carrega as denúncias que pesam contra ele e seu partido, o ônus do desastre financeiro deixado pela antecessora e a falta de credibilidade de quem chegou ao poder no mesmo navio cujo naufrágio ajudou a patrocinar.

Parece outro governo, mas é apenas o monstro cuspido de dentro do antigo monstro. A tragédia brasileira promete ser duradoura. As reformas levadas adiante por Temer são muito questionáveis em todos os sentidos. Quer se reformar a previdência, jogando a conta para contribuinte, mas se escamoteia o fato de que o dinheiro da conta social é usado para tapar outros buracos. O teto nos gastos, a chamada PEC, não parece ser a solução para impor a disciplina fiscal.

Por fim, é verdade que a Justiça afinal começou a fazer seu trabalho e passou a colocar corruptos e corruptores na cadeia, mas até agora não existe nenhuma iniciativa para normatizar os financiamentos de campanha e reconstruir as instituições onde já se provaram espúrias.

A tendência é a paralisação do país em todos os sentidos, algo grave num país já abalroado seriamente pela crise.

Nem mesmo eleições diretas, que poderiam ser convocadas em caso de impedimento do atual presidente, parecem uma solução útil neste momento conturbado. Não existe no cenário uma liderança capaz de colocar o Brasil nos trilhos. Os caciques do PSDB, o partido de oposição, também estão em xeque, acusados de financimento escuso de campanha. Sobretudo, não existe um programa sólido para a reconstrução. Que aponte não apenas o corte e limitação de gastos, como redefina o papel do Estado brasileiro e volte a dar oxigênio para o nosso destrambelhado capitalismo.

A redefinição do Estado que se pede é orientadora do futuro: um governo que seja social de fato, investindo em educação, saúde e segurança nos seus três níveis, federal, estadual e municipal. Uma democracia de mãos mais limpas, com transparência na origem e finalidade do dinheiro, e que inviabilize a prática de financiar candidatos com o próprio dinheiro público que eles repassam a seus financiadores privados. O círculo vicioso que perpetua no poder a parcela mais retrógrada da elite brasileira.

E isso tem de ser feito num clima de reconstrução. É preciso um grande líder para realizar uma tarefa que, agora, quando se começa tarde demais, se tornou hercúlea.

Tragédias por definição sempre terminam mal e sempre podem ir mais fundo. Elas existem desde a Grécia antiga porque o espírito trágico está no próprio espírito humano. Os autores da festança estão indo para a cadeia, mas as consequências trágicas dos seus ruinosos interesses são para todos nós. Nossa é, portanto, a tarefa da reconstrução. Que venha 2017.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Dos editores, o maior


Dou uma rara paradinha no livro que estou escrevendo agora para comentar a biografia de #RobertoCivita, do jornalista #CarlosMaranhão, que acaba de ser publicada pela #CompanhiadasLetras - um livro muito importante pela figura que retrata, essencial na história da imprensa brasileira e da História do país numa época chave, que vai do final da ditadura à estabilização democrática. Vou lendo um trecho aqui e ali, fora de ordem, por diversão.

E, claro, comecei pelo pedacinho que me coube, e diz respeito ao que Maranhão chama de "a mais difícil" transição de comando na revista #Veja- um pedaço muito interessante não apenas da história da revista como marco de uma mudança na imprensa, da qual pude participar. E ele usa para isso uma pequena anedota que circulou na empresa naquela ocasião, segundo a qual Roberto Civita escolheu para dirigir a revista "dos Tales o menor" - uma referência a mim, que tenho 1,74, e meu caro amigo Tales Alvarenga, dez centímetros mais baixo.

Maranhão teve diante de si uma tarefa por um lado ingrata. É muito difícil escrever um livro recheado de gente viva, entre as quais estão muitos amigos, incluindo eu. É complicado ser incisivo quando se pode ferir suscetibilidades. Como diz meu querido amigo Fernando Morais, um mestre da reportagem em livro, "escrever é fazer inimigos". Maranhão tem uma qualidade na qual é insuperável: é um verdadeiro lorde, perfeccionista e diplomata, que consegue ir contornando esses perigos sem fugir ao assunto.

É preciso retroceder um pouco no tempo, para entender tudo. Em 1999, eu voltei a trabalhar em Veja, onde já tivera uma passagem de quatro anos, entre 1986 e 1991. Nessa primeira encarnação, eu passei de um eficiente repórter de economia, treinado nas fileiras da então venerável Gazeta Mercantil, a repórter, depois subeditor de economia e por fim editor de Assuntos Nacionais (Brasil) da revista. Comecei em Veja na redação mais brilhante da revista e dal qual já participei, com José Roberto Guzzo, Elio Gaspari, Dorrit Arazim e editores que teriam papel importante, como Mario Sergio Conti, editor de variedades, e Euripedes Alcantara, então editor de geral. Foi para mim uma universidade.

Lá desenvolvi a habilidade de ir mais fundo nas histórias, aperfeiçoar o texto e, conforme a grande máxima do Roberto, "transformar o importante em interessante". Ganhamos muitos prêmios e tive o prazer e o privilégio de, no cargo de editor da seção de política mais influente do país na época, participar da cobertura da primeira eleição democrática para presidente em 30 anos: o fim da ditadura militar.

Nesse período, entre outras coisas, descobri que Roberto pouco ou nada interferia. Em todo o tempo em que fiquei no cargo, ele me chamou uma única vez. Com tantos assuntos importantes, ele pediu para acompanhá-lo numa visita à Câmara dos deputados em São Paulo, solicitada pelos parlamentares, que queriam mais cobertura da revista em assuntos paulistas. Uma embaixada que tiramos de letra. Ele mesmo não fez nada. Apenas pediu que eu (eu!) explicasse a eles como Veja funcionava. Por sorte eu fizera há pouco uma reportagem sobre a política paulista, mesmo sendo Veja nacional. Saiu todo mundo satisfeito - e eu, que sabia como eram perigosos aqueles testes do Roberto, aliviado.

Em 1991, esgotado pelo trabalho, resolvi tirar um ano de férias. Aos 25 anos, eu era muito jovem para tamanha responsabilidade e aquilo pesava. Via meus amigos se divertindo enquanto eu virava madrugadas escrevendo, na crença de que estava mudando o país (bem, estávamos mudando o país). Foi um período missionário, muito duro fisicamente. Eu dormia de madrugada e depois de quatro horas de sono estava tomando um avião para seguir um candidato do outro lado do país. Voltava para fechar minha seção, madrugadas adentro. "Brasil" jamais voltaria a ter tantas páginas em Veja. Eu gostava daquilo, mas era realmente desgastante. E eu já flertava com a ideia de ficar apenas escrevendo livros.

Pedi demissão. O editor executivo Paulo Moreira Leite, com quem eu trabalhava diretamente, chegou a me oferecer a correspondência da revista em Paris, para que eu ficasse. Agradeci, mas disse não. Gostaria de ir a Paris, mas não conseguia mais trabalhar.

Da segunda vez, foi diferente. Depois de voltar do meu período sabático, e descobrir que escrever livro não era tão fácil assim, fui editor senior no Estado de S. Paulo e, a convite de Antonio Machado, editei durante seis anos a revista VIP, então um suplemento de Exame. Era um emprego divertido, em que eu precisava viajar para lugares maravilhosos, comer e beber do melhor. A revista ia muito bem, tanto que foi separada de Exame para se tornar independente. Mas eu passei a me subordinar a outras pessoas e estava um pouco cansado de publicações de estilo de vida. Queria fazer hard news novamente.

Fui pedir emprego a Veja. Podia ter falado com Mario Sergio Conti, que era o diretor de redação, com quem ja havia trabalhado diretamente. Mas preferi procurar Tales. Além do nome, tínhamos outras coisas em comum. Eu trabalhara com ele num período difícil. Guzzo, que cuidava pessoalmente da seção de economia, tinha saído para reformular Exame. Não havia editor de economia, pois Antonio Machado também tinha ido para a revista irmã. Eu, como subeditor, por algum tempo fechei a seção sozinho, com 24 anos de idade. E Tales ficou encarregado por Mario Sergio de supervisionar aquela área.

Na convivência, nos demos muito bem. Uma parte, é verdade, foi por causa do nome - não havia como ele me ignorar. "Se não mudar de nome, muda de comportamento", brincava ele. Guzzo dizia que éramos homônimos homófonos, e que eu tinha um "H" a mais que ele. "Mas é uma letra muda", acrescentava. Tales ria. Era autoconfiante demais para ser ciumento.

Eu o ajudei, com o que sabia de economia, que não era a sua praia, enquanto ele tomava aulas às sextas-feiras com Delfim Netto. E nós nos dávamos bem. Eu gostava dele por algumas boas razões. Não tinha problema algum de dizer que não sabia algo. Era duro, mas justo. Reconhecia o trabalho alheio. E fazia bem o que eu admirava: antes de mais nada, era um fechador.

No jargão do jornalismo, o fechador é aquele sujeito que transforma todo o conteúdo desorganizadamente recebido de repórteres e fotógrafos e o transforma em algo publicável. Tales era, mias que fechador, um grande editor. Quando fui promovido para Brasil, abandonada numa madrugada estafante por Mario Rosa, que eu fechei no lugar dele em regime de emergência, eu o ajudei a formar quadros para me substituir, indicando dois jornalistas que ele passou a tratar com carinho especial, Antenor Nascimento, que veio da Istoé, e Ricardo Galuppo, cujo texto eu apreciava, quando me enviava relatórios da sucursal de Belo Horizonte.

Tales foi conversar com Mario Sergio. Tinha o projeto de escrever reportagens de fundo sobre personagens da economia, e como eu disse que queria ser apenas repórter, sem o ônus da edição, que havia me deixado alquebrado anos antes, achava que eu me encaixaria naquilo. Ou criou aquela função apenas para me ter de volta - não sei. Mario Sergio concordou, mas exigiu que eu, que tinha cargo de editor executivo na empresa, ficasse três meses recebendo como frila, para burlar algo ilegal pela lei trabalhista - ser contratado como repórter, um cargo menor, com um salário menor. Concordei.

Durante um curto período, fui repórter especial de Veja. Porém, certo dia, ao entrar na sala de Mario Sergio, encontrei-o com Tales, ambos de semblante carregado. Ali, Mario me comunicou que estava de saída. E que Roberto cogitava colocar no seu lugar o jornalista Paulo Nogueira, que conhecíamos da própria Veja.

Havia uma resistência muito grande ao nome de Nogueira dentro da redação. No livro, Maranhão diz que outros nomes foram consultados, como Roberto Pompeu de Toledo, mas para Tales, que havia trabalhado com Nogueira na Vejinha São Paulo, onde tinha sido seu chefe, aquela era a grande preocupação.

A reação da redação ao nome de Nogueira foi das piores que se pode imaginar. Paulo Moreira, então redator-chefe, juntou-se ao coro dos descontentes. Os editores execiutivos da revista se opunham. Não posso dizer como foi a conversa com Civita, mas estou certo de que o nome de Nogueira, indicado por Guzzo, não vingou porque toda a cúpula da redação de Veja se declarou praticamente demissionária.

Esse é um dos pontos sobre essa delicada passagem na biografia de Roberto em que Maranhão andou sobre brasas. Ele afirma no livro que a preocupação de Roberto era com a chegada de Época, a revista semanal anunciada pela editora Globo para ser sua principal concorrente. Porém, acredito que Roberto queria também retomar o controle da redação. Mario Sergio, um homem brilhante, era também temperamental. Com ele, talvez Roberto tivesse mais dificuldade de impor suas ideias na revista. E mudá-la, para enfrentar a possível concorrência. Ele precisava de um diretor de redação politicamente mais fraco, intelectualmente menos complicado e capaz de manter a sintonia com a vontade do leitor, mais do que com suas próprias ideias.

Não sei como foi a conversa de Tales e Roberto, mas estou certo de que o bloqueio da redação foi decisivo. Como Tales me confidenciou mais tarde, Roberto concordou em colocá-lo no lugar de Mario Sérgio. Porém, lhe deu um período fixo - três anos - para mostrar resultados. Talvez porque ele mesmo se achava na falta de ideias. Se a "redação" acreditava que podia resolver a coisa sozinha, teria sua oportunidade.

Entrei na sala do Tales para a nossa conversa diária e o encontrei mais preocupado do que nunca.

- Mas você não conseguiu o cargo que queria?

- Sim - disse ele -, mas o problema começa agora: o que fazer?

- Mas qual é dificuldade?

- A dificuldade é que a gente não pode falar mal do Fernando Henrique. E sabemos que revista só cresce fazendo denúncia.

Entendi por aí que aquilo tinha sido parte da conversa de Tales com Roberto: uma condição. Naquela fase, o Brasil entrava num período florescente. O controle da inflação, depois de anos a fio de pesadelo puro, era visto como a salvação nacional. Fernando Henrique tinha sido eleito por conta do plano de estabilização, o Real, e era popular. Todo mundo, inclusive Roberto, o considerava intocável. Ninguém queria desetabilizar o governo num momento em que o país rumava afinal para a tranquilidade.

Foi aí que eu disse a frase que está no livro. Tendo voltado para revista fazia pouco tempo, numa publicação sem política e de muito sucesso, eu tinha uma outra visão sobre o público leitor, que apenas começava a viajar com cartão de crédito internacional e a comprar carros importados. Afirmei a Tales que a política já não era importante. Que tudo ali estava meio resolvido e as pessoas estavam mais interessadas em si mesmas, como se via pelo sucesso dos livros de autoajuda, naquele tempo vendidos aos milhões de exemplares. E sugeri que o crescimento da revista poderia ser por esse caminho.

Passaram-se dois dias. Daquela vez, foi Tales que mandou me chamar, pela secretária.

- Ok, autoajuda - disse ele. - Você deu a ideia, você que vai fazer.

Assim eu, que tinha voltado a Veja apenas para escrever minhas reportagens, acabei assumindo uma editoria que não tinha nome, uma espécie de Geral II, criada por Tales para executar ideias de crescimento da revista. Uma dessas ideias, que era dele mesmo, além de fazer textos mais curtos para aumentar o índice de leitura, era fazer uma cobertura mais ampla do Brasil. Subiu o número de susursais de nove para 13. Não sei se chegou a discutir com Roberto a ideia de fechar a sucursal de Brasília, como está no livro. Para mim, como aconteceu de fato, dizia que queria aumentar.

Abrimos sucursais em cidades como Belém e Fortaleza. Ao mesmo tempo, passei a escrever reportagens sobre qualquer tipo de assunto que achava ser do interesse pessoal do leitor na época. Fizemos uma capa sobre o novo parque africano na Disney. Outra sobre "O caos aéreo", uma confusão nos aeroportos brasileiros. Com minha equipe, escrevi uma reportagem de ciências sobre o cérebro ("O poder da mente") que entrou para a lista das 30 mais vendidas da história da revista - à frente dela estavam apenas reportagens com denúncias de corrupção e desastres aéreos.

Naquela época, quem dirigia a seção de geral em Veja era Laura Capriglione, brilhante jornalista, que fazia um grande trabalho. Foi sob sua batuta que a repórter de Veja, cujo nome Maranhão não menciona no livro, entrou no presídio disfarçada e obteve do chamado Maníaco do Parque a célebre frase: "Fui eu".

É verdade, como diz Maranhão, que demorou a sair a primeira capa sobre Fernando Henrique. Porém, essa não foi bem a primeira capa sobre política na gestão de Tales, como ele afirma. Foi dele mesmo, na habitual reunião de pauta das segundas-feiras, depois de consultar todos os editores, quem mandou fazer uma reportagem sobre Sérgio Naya, deputado federal, dono da construtora cujo prédio acabara de desabar.

Não era assunto da minha área, mas Tales mandou me chamar na sexta-feira e me fez reunir todos os relatórios e escrever a matéria. Na minhas mãos, o que seria apenas a notícia de um acidente virou também uma reportagem política, ou mais: falava sobre o descaso da elite brasileira, representada por um empresário que também era deputado, símbolo de qual era o maior problema nacional. Não tínhamos falado mal de Fernando Henrique, mas achávamos um jeito de alavancar as vendas com escândalos políticos. E defender a classe média consumidora, nosso público leitor.

Aos poucos, meu relacionamento com Tales se desgastou. Eu tinha aceitado um salário menor por menos trabalho e acabava trucidado por uma montanha de tarefas. Reclamei - e ele se aborreceu. Para se livrar de mim, ou me colocar de castigo, fez com que eu ficasse subordinado ao editor-executivo Laurentino Gomes, deixando de responder a ele diretamente. Foi um bom período de convivência com Laurentino, de quem me tornei amigo e admirador. Mas eu não estava satisfeito. Aos poucos, Tales foi tirando as coisas que me dera: as sucursais, que passaram a ser geridas pela jornalista Flavia Varella, e mesmo as seções da revista. E não falou mais de salário.

Talvez até fosse o que eu queria, mas ele me provocava. Numa das reuniões de pauta, diante de todos os editores, Tales, que era conhecido por gostar de causar embaraços aos subordinados na frente dos outros, declarou, na minha vez de dar sugestões de pauta: "Agora vamos ouvir o Guaracy, que veio me dizer o que fazer no meu emprego". Como se ele mesmo não tivesse me perguntado, nme se beneficiado daquilo. Aborrecido, saí para um emprego onde iria ganhar o dobro. Entrei na sala dele e comuniquei minha demissão.

Levou algum tempo para falarmos novamente. Com o tempo o aborrecimento passou e voltamos a conversar. Eu o encontrei num hotel em Campos do Jordão, num seminário de intelectuais para discutir o futuro do Brasil. Jantamos, rimos, contamos velhas histórias. Ele já deixara a direção de Veja, mas mantinha uma coluna na revista, assim como em Exame. Estava mais leve, assim como eu. No ambiente de pressão em que se vivia em Veja, ninguém era normal. Eu entendia isso e o perdoei. E foi muito oportuno, porque eu ficaria muito mal sem tê-lo feito, já que Tales faleceu precocemente logo depois

Com todas as medidas que eu ajudei a implementar, como toda a redação de Veja, Tales conseguiu obter o resultado esperado por Roberto. A revista Época veio, mas não incomodou - Veja cresceu, em vez de perder leitores. Maranhão não conta no livro quem fez a frase de que o escolhido por Roberto para digirir Veja era "dos Tales, o menor". (Eu desconfio). Mas uma coisa eu sei: pelo que Roberto fez, e também pelo que deixou de fazer e permitiu fazer, era, dos editores, o maior.

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Antimemória

Raízes primeiras extremas
De onde nem há memória
O passado dos filósofos orientais
A alquimia genética
O encontro de raças
A combinação de histórias
A formação determinista do que somos
Antes mesmo de ser
Resultante do que trazemos sem saber
Escrito na terra
Na mão lavrada dos ancestrais
Nos amores perdidos
Nos sonhos perdidos
Nas vontades primevas
No acaso certeiro
Daqueles que vieram primeiro
Prepararam terreno
Jogaram a semente
Até que de repente
Brotou o que achamos ser
Nosso livre arbítrio
Fihos do vento
Filhos do tempo
Filhos da coincidência
Filhos de gente
Filhos do amor
Tanto o de mentirinha
Quanto do amor verdadeiro
Do amor enganado e desenganado
Do amor roubado
Do amor proibido
Do amor ganho e perdido
Qualquer amor que gerou amor que gerou amor
E moldou o que somos e seremos
E fez me de mim desbravador
Herdeiro de antigas e violentas paixões
De conquistadores da terra
Homens ardentes
Barqueiros ao leme rumo à Guiné
De velhos guerreiros
De homens sem fé
De mães sagradas
E mulheres profanas
De obscuras ciganas
E valquírias aladas
Filho do amor que veio do amor
Um amor que ainda não entendo qual é (...)

(Minha homenagem neste dia às crianças que ainda temos dentro de nós)


quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Como se corrompe um país

Muita gente, que escreve na imprensa ou nas redes sociais, afirma que o desastre econômico a que nos levou o PT é o fim da esquerda no Brasil. Não é. A esquerda, no Brasil, ainda nem começou.

No governo, o PT não foi esquerda, entendida como uma corrente política preocupada com menos pobreza e a justiça social. O PT fez um discurso de esquerda para tomar o poder e o tocou com a direita: fez um governo populista, entendido como o modelo demagógico e eleitoreiro de agradar o povo a qualquer preço para se perpetuar no poder e obter vantagens pessoais. O que sempre termina mal.

Nem mesmo o chamado marxismo populista o PT praticou, ou algo que se aproxima do chavismo, o modelo que seus intelectuais tanto admiram. O PT esteve mais para o velho coronelismo clientelista, que dá o vale no lugar do salário, para manter o trabalhador em regime de escravidão.

Toda política assistencialista cria uma rede de privilégios que onera o Estado e não faz promoção social. Pior: cria uma ilusão. Que, como toda ilusão, um dia desilude os iludidos.

Se você tem uma boa rede pública de ensino básico, como há na Europa e alguns lugares dos Estados Unidos, dá oportunidade igual a todos - lá estudam o rico, o pobre, o classe média. Mesma coisa com a saúde. Uma saúde de qualidade desonera a classe média dos caros planos de saúde, que estão todos aí falindo junto com ela hoje no Brasil. Atende o pobre e mesmo ao rico. Isso é dar oportunidade igual, dar ganho de renda e fazer promoção social.

O PT não fez isso. Preferiu distribuir dinheiro, em vez de melhorar o serviço público e promover o ganho real. Criou uma massa de dependentes do governo, de um lado, e de outro uma massa raivosa de quem s´pagou a conta e não viu contrapartida. Gastou nisso a rodo, a ponto de quebrar o caixa federal e levar junto os governos estaduais, que ameaçam declarar calamidade pública - consequência da calamidade financeira.

Quando você dá dinheiro a alguém porque é pescador, ou preto, ou qualquer coisa assim, cria apenas um privilégio. Fica difícil depois retirar esse privilégio. É a ilusão. O ganho de renda que se obtém com o estímulo ao consumo dessa gente é temporário, porque não houve crescimento da riqueza.

Quando vem a crise, na forma de falência do Estado promotor do crescimento, do desemprego e da inflação, todos perdem. Perdem tanto quanto ganharam artificalmente no passado. E perdem todos: o empresário, a classe média, e sobretudo o mais pobre.

Estamos nesse ponto. O fim da ilusão. E do desespero daqueles que não querem ver estourar sua bolha de sabão, junto com a raiva de quem pagou a conta do sonho de verão.

Toda a lógica da promoção social do PT está equivocada e seguir nisso, ou voltar a isso, é prosseguir no caminho de um desastre que já se mostra de enormes proporções, independentemente de ter sido acompanhado de enorme roubalheira. Não importa neste momento quem vai fazer esse trabalho, se o Temer ou o próprio demônio. Mas tem que ser feito, urgente, ainda que contra toda a turbulência dos apaniguados que o PT fidelizou com o dinheiro, da mesma forma que fez com o Congresso no mensalão. Assim o partido corrompeu mais que o Legislativo. Corrompeu o país.

domingo, 11 de setembro de 2016

O que você faria se soubesse que tem pouco tempo?

O que você faria se soubesse que tem pouco tempo?

Em 2003, depois de um período de trabalho que faria de qualquer um a pior pessoa do mundo, eu estava sentado diante da mesa do urologista Eric Wroclavski, que anunciou assim a descoberta casual de um tumor na minha bexiga, com um sorriso no rosto:

- Você teve sorte.

Sorte? Eu, com 36 anos, tinha um tumor. Sorte?

- Teve sorte, porque descbriu por acaso um tumor a tempo de poder se curar - disse ele.

Tumores são assintomáticos, daí que muita gente os descobre quando é tarde demais. Tempo é essencial. Eric marcou a operação para dali alguns dias, apesar de sua agenda estar cheia. "Não vou deixar ele com esse pólipozinho aí", disse a um assistente. Fui operado, fiz o tratamento, duro, e cinco anos de acompanhamento. Foi o mesmo Eric que me deu a notícia da cura. E recomendou que eu ficasse sempre de olho. Para não depender da sorte.

O que eu não sabia é que, na mesma época, Eric tinha descoberto que ele mesmo tinha um tumor. Na próstata. O mal que ele operava. Só que ele, Eric, o tinha descoberto tarde demais. Eric não contou a ninguém. Não contou à família: a mulher, também médica, e os filhos, médicos. Nem mesmo os médicos que trabalhavam em sua equipe sabiam. Conversava com colegas sobre seu caso nos Estados Unidos. E, sendo médico, se automedicava.

Tínhamos, em nossas consultas, longas conversas sobre a  doenaç e a vida. Ele dizia admirar o meu humor - um tanto ácido, é verdade - quando eu falava das fatalidades prosaicas da existência. Eu admirava sua vontade de trabalho. Eric era incansável. Perdi a conta de consultas das quais saí às duas horas da manhã, depois de esperar minha vez, sem reclamar, horas a fio.

Eu o respeitava, porque era um missionário. Atendia o maior número de pacientes que podia, incansavelmente. Horas depois, às seis da manhã, estava já no Einstein, fazendo cirurgia. Parecia numa jornada insana para salvar o maior número de pessoas que pudesse - dar a elas a chance que não tivera para si. Frequentemente tinha os olhos vermelhos: praticamente não dormia. E engordava a olhos vistos. Eu não sabia, mas era por conta dos remédios, com os quais procurava atrasar o progresso inevitável da doença.

Eric me fez viver, e estava morrendo. E só ele sabia disso. Quando um dia não aguentou mais as dores, e entrou no Einstein, dessa vez não como médico, mas para se internar, fiquei estarrecido. Todas as nossas conversas de repente mudaram de sentido. A começar pela frase: "Você teve sorte". Sim, entendi que tivera sorte, a sorte que lhe faltara.

Percebi que as muitas perguntas que ele me fazia não eram somente por minha causa, para saber como eu lidara com a doença. Eram perguntas do interesse dele mesmo, Eric.

Escrevi um romance em que coloquei a história do tratamento ficcionalmente. Em Campo de Estrelas, Eric aparece com o nome de Roger (na verdade, seu nome do meio). Fui visitá-lo no hospital e levei o livro. Eric estava na cama. De ótimo humor. Dali, ele despachava assuntos da associação dos urologistas, que presidia. Mesmo da cama, comandava tudo: seu tratamento, os enfermeiros, seu consultório.

Li para Eric, ao lado da cama, os trechos do romance em que ele aparecia. Primeiro ele fez uma queixa: "Por que você não colocou meu nome de verdade?". (Mais tarde, eu saberia que esse romance já foi muito lido para pacientes internados em hospitais). E eu também fiz uma queixa.

- Por quê você não me contou que estava doente?

Ele disse então que tinha descoberto a doença tarde demais e não queria viver sob o seu signo: os outros olhando para ele como doente. Queria ter uma vida normal, o mais que pudesse. Perguntei também por que ele, sabendo que tinha pouco tempo, trabalhava tanto, e não tinha usado seu dinheiro para viajar, ficar mais com a família ou fazer outra coisa qualquer. Ele me respondeu com uma pergunta.

- Se você soubesse que tem pouco tempo de vida, faria o quê?

Não precisei pensar muito.

- Acho que continuaria escrevendo. O mais que pudesse.

Ele falou, mas eu já sabia o que iria dizer.

- Então. Fiz o máximo o que sempre quis fazer.

Fui embora pesaroso. Foi a última vez em que o vi. Ao me despedir, eu o agradeci. E disse, apontando o livro, com um pouco de raiva:

- Vocês médicos não sabem nada. Eu sou o único que dá a vida eterna.

Eric morreu em 2009 e sua presença ainda não está só nos livros, mas em todas as pessoas que ajudou, seus familiares, amigos e em mim, que ainda estou por aqui. Com frequência penso nele e confiro se estou usando bem o tempo que me resta. É doloroso perder um grande homem e, posso dizer, um inesperado amigo. Acho que devo ainda escrever uma continuação de Campo de Estrelas e contar o resto da história. Afinal, é o que eu faço e farei, como ele, até não poder mais.

E você?  O que você faria se soubesse que tem pouco tempo?

sábado, 3 de setembro de 2016

Um processo capenga deixa Temer sobre brasas

A decisão de não tirar os direitos políticos de Dilma Rousseff, tomada pelo Senado e referendada pelo ministro do STF Ricardo Lewansdowski, foi um daqueles movimentos que nos fazem duvidar da sorte do Brasil como Nação. Se o Senado aprovou o impeachment, Dilma não podia sair sem a pena correspondente. Tirar a pena, conforme a Constituição, é negar o próprio reconhecimento dos seus crimes por "responsabilidade".

É possível entender que os senadores tenham legislado em causa própria, sob a orquestração do presidente da casa, Renan Calheiros, ele próprio na fila da frente do banco do réus. Como a maioria deles está na mira da lei, criar esse precedente faz supor que, mesmo interditados, poderão reclamar igual direito de continuar concorrendo a cargos públicos. O que não se entende é como o ministro Lewansdowski, que não é senador, e estava lá como representante do STF, pode ter chancelado uma gambierra política desse quilate.

Segundo jornalistas têm publicado, após conversar com gente próxima a outros ministros do STF, a participação de Lewansdowski no processo de impeachment onstrangeu o tribunal. Claro que nenhum ministro do STF falará abertamente sobre isso. Mas ninguém pode e dever estar satisfeito. A decisão do Senado, na sessão presidida pelo representante do STF, mancha todo o processo do impeachment, colocando-o mesmo em xeque. O que era um processo constitucional acaba, mesmo, com cara de farsa.

Isso terá sérias consequências para o governo que fica. A bordo de um partido abalroado pelas mesmas denúncias de corrupção que emborcaram o PT, e a cavaleiro de um processo que acabou saindo capenga, Michel Temer depende de uma única coisa para ficar no cargo: sucesso na economia. Se conseguir debelar a crise, ainda será tolerado. Caso a crise se aprofunde, ele e o PMDB irão se arrepender amargamente de ter tomado o governo de Dilma. Ficarão com todo o ônus do ajuste, e do fracasso, sem, em qualquer hipótese, conseguir livrar-se da Justiça.

Para o PT, nada poderia ser melhor do que o afastamento de Dilma. Agora, o partido está no papel onde sempre viveu tão à vontade: o de pedra na vidraça. Um fracasso de Temer recolocará o PT, com Lula ou qualquer outro, em boas condições de disputar as próximas eleições. E o abacaxi que Dilma deixou na economia já não será seu problema.

A situação de Temer tem semelhanças e diferenças com a de Itamar, quando sucedeu a Fernando Collor. Itamar também tinha de debelar uma enorme crise econômica. Errou várias vezes e levou tempo, até convidar Fernando Henrique, que não queria ir para o ministério de jeito nenhum - foi, sim, mas praticamente numa camisa de força. Conseguiu estabilizar a economia, com o Plano Real, e acabou presidente.

Essa é a semelhança: se Temer resolver a crise, o que não é fácil, pois terá de fazer uma profunda mudança no modelo criado pelo PT em 12 anos, incluindo uma maciça reforma do Estado que deve levar temporariamente a mais recessão, saíra com grande força no final do processo e Henrique Meirelles poderá ser o próximo presidente do Brasil.

A diferença é que Itamar, como vice, tinha se mantido longe do poder. Collor era tão autocrático que ninguém achava que Itamar tinha algo a ver com seus desmandos. Não pesavam sobre ele as acusações e desconfianças que hoje sobram para Temer e o seu entorno. Collor era de um partido de ocasião, o PRN, que, despojado do poder, desapareceu. Dilma é diferente. O PT é um partido que, embora pequeno e pouco representativo das forças políticas nacionais, na oposição é uma organização barulhenta e impertinente, treinada para causar transtornos e, como a TFP, dar a impressão de ser maior do que é.

Incomoda, sobretudo num período de crise, em que é preciso união e tranquilidade para sair da dificuldade. O PT claramente está agitando suas bandeiras para transformar a gestão Temer no período mais turbulento que puder. E se possível em confronto com a polícia, para piorar o quadro de instabilidade.

Outra diferença em relação a Itamar é que Collor renunciou, justamente para não ficar oito anos inelegível, e não havia qualquer questionamento sobre a legitimidade do processo. Essa foi a contribuição ruinosa de Lewansdowski e dos senadores. Mais que nunca, eles deixam a impressão de que o Brasil é governado na base de conluios, negociatas espúrias, na quais o próprio STF se envolve, em vez de pairar com a devida isenção da magistratura.

É um fator terrível de desestabilização que o próprio sistema se mostre suscetível a interesses políticos e pessoais, mais do que ao interesse da Nação.

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Dilma e Collor: o que leva ao impeachment de um presidente

Desde que a democracia foi plenamente reinstaurada no Brasil, em 1991, com a eleição para presidente de Fernando Collor, já temos dois presidentes que sofreram o processo de impeachment: o próprio Collor, que renunciou antes do impedimento, para não perder seus direitos políticos, e agora Dilma Rousseff. Muita coisa para uma jovem democracia? Há algo de errado com as instituições?

O discurso de defesa de Dilma no Senado, dentro do processo que ela resolveu levar às últimas consequências, mesmo sabedo do resultado, mostrou o que há de comum entre ela e Collor, capaz de levar um presidente ao impeachment. No seu arrazoado, Dilma jogou a conta pela crise brasileira no quadro internacional - que não mudou desde o tempo em que ela e seu partido gabavam-se de não interferir no país. 

Na sua própria conta, e do PT, nada. Para ela, a corrupção que assolou sua gestão é uma distante paisagem. A administração ruinosa que acabou com os ganhos alardeados por seu partido, também. Em vez de um mea culpa, ou um plano qualquer, desfilou os dois atributos que marcaram sua gestão: a arrogância e o divórcio com a realidade.

Foi o mesmo que aconteceu com Collor. Propelido à presidência num grande movimento cívico, num país inebriado com a volta à democracia, Collor entrou no governo a cavaleiro de um imenso apoio popular. A sensação de era de que podia fazer qualquer coisa. E Collor fez: sequestrou o dinheiro dos cidadãos, em nome de debelar a inflação galopante, herdada de José Sarney. Mais, deixou rolar a corrupção, em negociatas nas quais aparecia somente um velho testa de ferro, Paulo César Farias, que já lhe prestara o mesmo serviço nos seus tempos de governador, em Alagoas.

O delírio do poder, que dá a impressão a um presidente de que pode fazer tudo, sempre leva ao desastre. Assim como Dilma, Collor jamais foi ao Congresso pedir apoio para seus projetos. Canetava decretos como um imperador. Quando a crise econômica sobreveio, graças à ruinosa gestão da economia, os podres do de seu governo vieram à tona. Ambos os fatores, a crise econômica e a corrupção, que não andam juntas por acaso, se uniram para o Congresso, com enorme apoio popular nas ruas, defenestrá-lo.

O mesmo aconteceu com Dilma. O apoio popular obtido com o modelo demagógico do PT deu, primeiro a Lula, e depois à própria Dilma, a falsa ideia de que podiam fazer o que quisessem, até as raias do absurdo. As estatais foram espoliadas. Na sua sanha de "distribuir renda", levaram muito além da conta sua política populista de dar dinheiro aos mais pobres, sem pensar no crescimento exponencial da dívida pública, que levou o Estado praticamente à falência, E ainda estenderam suas benessses a governos ideologicamente alinhados - como a Bolívia e a Venezuela.

Ao transformar o Estado no motor do crescimento da economia, e quebrar o motor, Dilma subiu ao cadafalso. É extraordinário verificar que a primeira vez em que entrou no Congresso em seis anos foi para o julgamento do impeachment. Mostrou que não conhecia os limites de um presidente: seu discurso imperial, onde não há espaço para encarar os próprios erros e a realidade, foi coerente somente com a arrogância de um partido para o qual os fins justificam os meios, e, se a lei se interpuser no caminho, errada está a lei - "é golpe".

O problema não são as instituições, ou a democracia brasileira, ou a Justiça. São essas instituições que vem garantindo ao Brasil conter os delírios de poder daqueles que, eleitos pelo povo, em nome dele procuram exercer um poder que não possuem. Pois mesmo um presidente eleito legitimamente pelo povo tem limites. Um deles, o que estabelece a necessidade de diálogo com o Parlamento, controlador da outra casa, assim como o Judiciário.

O Brasil não está assistindo a um "golpe", o bordão que Dilma cansa de repetir, para desautorizar o processo que a tira de seu trono imaginário. O Brasil está, isto sim, se protegendo de um golpe de Estado, em que um partido e seus representantes, a começar de Lula, podem tudo - de desviar dinheiro público em proveito próprio  a impôr qualquer política sem passar pelo Congresso ou mesmo contra a lei. As instituições estão, portanto, em funcionamento.

Michel Temer e o PMDB, que assumem o governo com a saída de Dilma, têm uma diferença em relação ao PT e por isso são mais tolerados. Estão enrolados tanto quanto o Lula e o PT nas falcatruas que colaboraram para levar o país à bancarrota. Porém, mostram que estão um pouco mais perto da realidade: reconhecem a necessidade de fazer um ajsute, para estancar a inflação e o desemprego galopantes. Entre um governante corrompido e alienado no poder e outro apenas corrompido, a segunda opção parece mais aceitável, sobretudo por ser provisória.

O delírio do poder sempre acaba entrando em conflito com a realidade. E a realidade sempre vence. Os membros do PT, que há muito já enfrentam problemas com a Justiça, seguem no caminho da punição pelos termos da lei, o seu choque de realidade. Lula, já indiciado, está no mesmo caminho. Eduardo Cunha também.

O Brasil, com sua democracia, se mostra capaz de regular desmandos. Conta com o movimento nas ruas, que já expressou de sobejo seu repúdio a Dilma, com a Justiça e o Congresso, mesmo contaminado pela farta distribuição de dinheiro com o qual o PT procurou comprar sua boa vontade ao longo dos últimos doze anos. Espera que o povo brasileiro continue a fazer sua parte, depois de mais um banho de realidade que toma ele próprio, ao confirmar que não adianta acreditar em mágicas políticas - a conta acaba chegando, e desta vez será muito alta.








segunda-feira, 22 de agosto de 2016

O saldo da festa é a saudade do futuro

Como o palhaço de circo, o Brasil lava a cara depois do espetáculo

Medalhista olímpico, Stefan Henze, de 35 anos, técnico de canoagem na delegação alemã, morreu durante as Olimpíadas do Rio de Janeiro dentro de um táxi que bateu em um poste. O taxista fugiu e, uma semana depois, ainda continua desaparecido. Culpa do Rio de Janeiro? Mero acidente? Destino?

Não importa. A Olimpíada brasileira teve uma porção de notas desagradáveis: o superfaturamento das obras, a não concretização de várias metas olímpicas, em especial o saneamento da água, que breve voltará a ficar como antes, a finalização das obras de infra-estrutura, a mudança no quadro da segurança pública.

Para complicar, o país se encontra na mais grave crise econômica desde os idos da falida dittadura militar, o que transmitiu ao mundo a imagem de um país na miséria, gastando o dinheiro que não tem para receber os ricos na sua casa.

Porém, não importa. O espetáculo foi bonito: nas festas de abertura e encerramento, nos momentos esportivos que passaram para a história. O fulgurante fim de carreira de dois dos maiores, se não os maiores, astros do esporte olímpico, recordistas em desempenho e em premiações: Michael Phelps e Usain Bolt. O brilho de uma estrela da ginástica,com quatro medalhas de ouro: Simone Biles. O primeiro ouro olímpico do futebol brasileiro, levantado do descrédito da própria Nação. E o esforço individual de tanta gente com histórias cativantes e inspiradoras, na maior confraternização entre Nações da Terra.

O saldo da festa não é a saudade destas duas semanas, e sim a saudade do futuro: aquilo que poderíamos ser e realizar, se tivéssemos feito as coisas direito, mas não seremos ou fafemos. Não nas Olimpíadas, e sim neste país. Está provado que o brasileiro é capaz de grandes realizações, mas só apresenta sua melhor face quando exposto aos olhos do mundo, para agradar o estrangeiro, mostrar uma cara que não tem. Com a saída dos visitantes, voltamos a ser apenas nós mesmos, como o palhaço que lava a cara depois do espetáculo.

Dentro de casa, olhando no espelho, o Brasil é aquele outro, o do motorista que foge do acidente de trânsito, do dirigente que superfatura a obra, do torcedor que vaia o adversário na entrega de medalha, como aconteceu com o francês Lavillanie, prata no salto com vara.

Um país que não vai adiante, atolado na corrupção cotidiana, cujos tentáculos formam uma malha paralisante, que perpetua a roubalheira, a inércia e a desesperança, inutilizando o trabalho de todos aqueles que procuram fazer algo construtivo.

Sim, o Brasil é bom  de festa, com o samba, suas mulatas, a simpatia esquizofrênica de seu povo, que é tão fácil com o visitante, tão duro consigo mesmo, e tão leniente com nossos descalabros. O Brasil é bom de festa e ruim de vida, que começa dura novamente, nesta segunda-feira de cinzas.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

A olimpíada dos selvagens

Em A Conquista do Brasil, está contada uma história nada edificante sobre a origem dos brasileiros. Ali se mostra, por exemplo, como os tupinambás fundavam sua sociedade na rivalidade entre as tribos, faziam da guerra um sistema de vida e cultivavam a raiva vingativa até as raias do absurdo. Desde pequenos, os curumins eram ensinados a ter raiva do "inimigo" e a não perdoar ou poupar ninguém. Para demonstrar seus estado de espírito em relação a qualquer oponente, matavam a dentadas os piolhos que catavam na cabeça.

Com o passar dos séculos, e não foram tantos assim, ocultamos ou esquecemos essas origens, sem enxergar o que há dessa herança dentro de nós: a sociedade brasileira. Uma boa demonstração da nossa índole raivosa e selvagem está sendo dada na Olimpíada, um congraçamento entre os povos, que coloca acima de tudo a igualdade, a esportividade e o fair play. Mas nada disso influencia a torcida brasileira, que vem chocando os povos ditos civilizados.

Que o diga o francês Renaud Lavillenie, que tem a vilania até no nome, mas não podia ter sido apupado na disputa do salto com vara, como foi. Além das vaias durante a competição, foi vaiado no pódio, ao receber a medalha de prata. Num momento que deveria ser de glória, e de valorização e respeito a um adversário, o atleta chorou. De tristeza. O brasileiro Thiago Braz, medalha de ouro, tentou consertar, pedindo aplausos à plateia.

O comportamento da arquibancada, que invariavelmente se manifesta nos jogos como está acostumada em jogos de futebol, onde nunca prima o fair play e o respeito ao adversário, acabou tirando um pouco do brilho da extraordinária vitória de Braz. E demonstra qual é o principal problema brasileiro, fonte de todas as nossas crises, políticas, econômicas e sociais: a falta de educação.

Quem está nos estádios olímpicos não é a massa ignara dos grotões. É gente que pode pagar 900 reais por um ingresso para cada membro da família. É a elite brasileira, que em matéria de civilidade se compara ainda aos seus ancestrais de cocar e bodoque nos lábios.

Os brasileiros resolveram participar dos jogos como um cão feroz, presente em todas as disputas, mesmo as que não envolvem a camisa amarela. No atletismo, o astro Usain Bolt, preferido pelo público, manifestou sua estranheza quando a plateia apupou seu maior rival, o americano Justin Gatlin. "Nunca vi nada parecido", disse ele. Antes de correr, Bolt se acostumou a colocar um dedo nos lábios, mandando a torcida que o adotou calar a boca.

Só isso bastaria para passarmos vergonha, ainda mais vindo o gesto de um homem que não tem uma origem menos humilde que a do nosso próprio povo. A histeria brasileira, porém, é imune a lições de moral. Incomodou até mesmo os atletas da natação. Michael Phelps declarou que nunca ouviu tanto barulho na vida - mesmo numa disputa dentro da água.

Em qualquer esporte, o brasileiro põe para fora o velho índio que mora dentro dele. Não respeita o esforço dos competidores, quaisquer que sejam. Idolatra os vencedores, e condena os perdedores à execração, como se não tivessem valor e fossem zeros à esquerda.

O brasileiro só quer e respeita a vitória. Sua pressão, em vez de útil, se torna contraproducente; coloca uma carga absurda sobre a maioria dos atletas brasileiros. Além do desafio natural das provas, eles têm que lidar ainda com o humor de um país que não perdoa, tantos os inimigos quanto a derrota.

Estaria errado, mesmo que funcionasse. O agravante, porém, é que nem funciona. Se dependesse do furor da torcida, o Brasil é que teria goleado a Alemanha na Copa do Mundo, há dois anos, por 7 a 1.  Mas não foi o que aconteceu. Derrotado fragorosamente dentro e fora de campo, o brasileiro, na sua brutal ignorância coletiva, mostra nos Jogos Olímpicos que não entendeu nada. Nem mesmo do que se trata no evento que está patrocinando.

domingo, 24 de julho de 2016

A Grande Depressão e o futuro do Brasil

Reportagem de hoje da Folha de S. Paulo mostra Dilma Rousseff no Alvorada, na sua rotina de andar de bicicleta, ver filmes no Netflix e, de quando em vez, conversar com seu advogado. Seu plano se resume a enviar um discurso ao Senado na véspera da votação final do impeachment para "defender sua biografia".  Mas não tem esperança de recuperar o cargo.
Foto: Orlando Brito

Dilma na prática continua atrasando o país. Depois de fazer a economia brasileira mergulhar no caos, e assistir seu governo virar um verdadeiro pantagruel da corrupção, dá sua última contribuição para a Grande Depressão que construiu como sua obra prima: faz todo mundo esperar até o último minuto pelo começo de soluções para os enormes problemas que temos. E por vaidade. Fernando Collor, que na posição dela já tinha renunciado, teve mais decência.

O presidente interino Michel Temer nada faz até que Dilma saia. Como político daquele estilo do qual estamos cansados, aguarda sem desagradar ninguém, para não perder votos. Quer ver Dilma fora para agir. Para não pagar seu preço pessoal, deixa que o Brasil continue pagando o preço coletivo. Reforma previdenciária, saneamento das contas públicas, medidas de reativação da economia e do emprego irão esperar a política pequena. Assim é o Brasil.

A Grande Depressão está aí. Os negócios estão paralisados. No último levantamento, os desempregados eram 11 milhões. As contas públicas são a origem e o retrato do desastre, com um déficit orçamentário maior que a o PIB da maioria dos países do mundo. O real sofreu uma desvalorização brutal. O Brasil passou a valer uma banana. A mendicância na rua se tornou alarmante. O centro de São Paulo, por exemplo, parece um cenário de guerra. E a falta de perspectivas lança uma sombra sinistra sobre esse cenário tumular.

Aí fica claro qual o nosso maior problema: falta grandeza ao político brasileiro. Até mesmo para renunciar. Falta vergonha. Falta honestidade. Falta iniciativa. Falta espírito público. Falta uma conduta construtiva. Falta patriotismo. Falta moral.

O Brasil é governado ainda hoje por gente do mesmo tipo que veio a este país no tempo das caravelas: saqueadores interessados apenas no butim. Teve espasmos de civilidade, de crescimento, de formação nacional, mas são ciclos temporários, porque a índole da nossa elite, incrustrada desde os primórdios, nos joga de novo na valeta da exploração barata e do desgoverno. O povo brasileiro se ilude com alguns períodos de melhoria e não trata de construir algo sólido para evitar novamente a instabilidade. Mas a história mostra como ela é certa. E dura.

Quando vemos Lula à frente nas pesquisas de intenção sobre a próxima eleição, é de se perguntar realmente se este país tem saída. Porque a falta de perspectivas, geradora dos líderes e dos movimentos messiânicos, que trazem os desastres ainda maiores, são o sinal do fracasso daqueles que procuram construir o progresso de forma concreta. O Brasil ainda é o atraso e será Terceiro Mundo por muito tempo. Talvez para sempre.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

O espetáculo da loucura e o esgotamento do capitalismo

Atiradores percorrem as ruas de Munique, matam gente dentro de um shopping, a cidade fecha, escondida atrás das portas. Um jovem de 17 anos invade um trem em Wurzburg e ataca os passageiros com um machado. Quatro pessoas ficam feridas e o atacante, que teria jurado lealdade ao grupo terrorista Estado Islâmico, é morto pela polícia.

Um homem aluga um caminhão para matar quase uma centena de pessoas na orla de Nice. No Brasil, dez pessoas foram presas depois de trocar mensagens digitais em favor do Estado Islâmico e sugerindo à Polícia estar preparando um atentado na Olimpíada. Este ano, atentados em Bruxelas e Istambul também deixaram mortos em nome do Terror.

O que está acontecendo? Pelo que se sabe, o Estado Islâmico não tem uma rede Internacional. Seus "agentes" seriam recrutados pela Internet. Isso não é recrutamento.

O que está acontecendo é um sintoma da crise da sociedade contemporânea. Num mundo em crise, sem oportunidades, especialmente os jovens perdem o sentido de viver. A espetacularização da midia digital lhes dá uma oportunidade. Dá sentido pelo menos à sua morte. O El representa hoje o protesto contra o sistema. Poderia ser qualquer outra coisa.

Gente que, sob qualquer pretexto, vai para rua para matar ou morrer está no limite da loucura. A ideia de pertencer a um grupo suicida lhes dá força. E saber que a ação lhes dará notoriedade, dá coragem.

Isso só acontece num mundo em que a vida não vale nada. Os valores que são sentido à existência - o amor, o trabalho, a conquista, a recompensa, o conforto familiar, os sonhos de felicidade - não existem ou não têm importância. Hoje qualquer um aparece na mídia mas entra apenas na bacia das almas que é o mundo digital. 

O homem é insignificante.

Pode parecer estranho, mas a maneira de combater o terror, além de abater na rua os loucos que saíram do armário, é atacar as raízes dessa crise. Um mundo com oportunidades de emprego, de crescimento, e relações interpessoais melhores, numa era de individualização extrema. O problema não é o El, o Islamismo, ou o Oriente. É um certo esgotamento do capitalismo, agora que entra na sua fase digital, pedindo um novo modelo para viabilizar novamente o futuro.

quarta-feira, 20 de julho de 2016

O meu Poema Sujo, ou a arte de escrever para ninguém

- A gente precisa mudar.
- Eu sei, mas mudar como?
- A gente devia parar de ficar escrevendo para ninguém.
- Mas escrever para ninguém é a única coisa que eu sei fazer.
Minha mulher sempre tem razão. Mesmo assim eu vou contra - como diria o Llosa, sigo seguindo contra vento e maré. Secretamente venho escrevendo recentemente muito para mim mesmo, ou para ninguém. Escrevo sobre a infância, aquilo em que mais penso, quanto mais idade tenho.
Isso acabou me tomando a cabeça, um tempo enorme, as vontades: da evocação de um tempo sem palavras, começou a surgir um poema, e foi ficando tão longo que virou um poema-livro, o meu "poema sujo", sem nenhuma pretensão de comparações com o grande Ferreira Gullar.
Fico olhando isso e penso se é mesmo para ninguém: talvez possa ser para alguns, pelo menos as pessoas que nasceram como eu na década de 1960, que conheceram uma certa São Paulo, um certo país, um certo tempo. E suas mudanças: nos costumes, na família, na política, na informação. Na sociedade, ou no homem, enfim.
Aqui um trechinho, agora que começo a revisar o texto; e vou pensando em todas as coisas importantes que eu tinha a fazer e, no final, deixei de fazer; de todas, no fim, esta é a única que importa, ainda que seja para ninguém.
(...)
Raízes primeiras extremas
De onde nem há memória
O passado dos filósofos orientais
A alquimia genética
O encontro de raças
A combinação de histórias
A formação determinista do que somos
Antes mesmo de ser
Resultante do que trazemos sem saber
Escrito na terra
Na mão lavrada dos ancestrais
Nos amores perdidos
Nos sonhos perdidos
Nas vontades primevas
No acaso certeiro
Daqueles que vieram primeiro
Prepararam terreno
Jogaram a semente
Até que de repente
Brotou o que achamos ser
Nosso livre arbítrio
Fihos do vento
Filhos do tempo
Filhos da coincidência
Filhos de gente
Filhos do amor
Tanto o de mentirinha
Quanto do amor verdadeiro
Do amor enganado e desenganado
Do amor roubado
Do amor proibido
Do amor ganho e perdido
Qualquer amor que gerou amor que gerou amor
E moldou o que somos e seremos
E fez me de mim desbravador
Herdeiro de antigas e violentas paixões
De conquistadores da terra
Homens ardentes
Barqueiros ao leme rumo à Guiné
De velhos guerreiros
De homens sem fé
De mães sagradas
E mulheres profanas
De obscuras ciganas
E valquírias aladas
Filho do amor que veio do amor
Um amor que ainda não entendo qual é (...)

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Desnudando a Playboy

Está saindo do forno um livrinho tão delicioso de ler quanto importante e expressivo do jornalismo brasileiro. "Histórias secretas: os bastidores dos 40 anos de Playboy no Brasil" é uma coletânea de textos de alguns dos principais colaboradores de Playboy, no longo período em que foi publicada pela Editora Abril. Entre eles, eu, integrante da ilustre e seleta galeria dos jornalistas que tiveram pela frente o desafio de dirigir a revista.

Pela primeira vez, se pode ter uma boa ideia de como era feita a "revista mais gostosa do Brasil".

Vista pelo lado de dentro, (ou tirando a sua roupa), ao contrário da imagem corrente de "o melhor emprego do mundo", Playboy na verdade era trabalho muito árduo. Somente graças a um imenso esforço coletivo, em redações sucessivas de gente muito competente, se estabeleceu na publicação brasileira um padrão de excelência ímpar, assim reconhecido pela matriz americana.

As "Histórias Secretas" são crônicas instigantes e elucidativas sobre como Playboy funcionava. O relato daquilo que não deu certo é tão ou mais interessantes do que o daquilo que deu certo. Nesse mosaico, esboça-se o quadro de uma era  destinada a nunca mais se repetir, tempos que hoje podemos chamar de pioneiros do papel impresso. Por isso, o livro ganha contornos de documento histórico.

Uma das virtudes da obra, ao mostrar quem fazia a revista, é justamente jogar luz sobre o outro lado: aqueles que trabalhavam para jogar luz sobre os outros, tanto as estrelas que ilustravam os ensaios sensuais como as celebridades que povoavam suas páginas em entrevistas e reportagens. Pode-se assim ter uma boa ideia de como Playboy decolou, firmou seu padrão de qualidade, inclusive em jornalismo, e das condições de seu declínio, até ser encerrada na Editora Abril.

Esse é o capítulo que faltou ao livro: falar um pouco mais sobre o grande defensor de Playboy na Abril, que foi seu editor, Roberto Civita. Com sua morte, a empresa perdeu não somente  o homem que trouxe Playboy ao Brasil como foi seu sustentáculo, até o dia de sua morte.

O caso de Playboy é significativo de uma era de ouro da imprensa brasileira. E revela que a morte das publicações não ocorre apenas em função da mutação das mídias, como à perda de seus líderes e à incapacidade de adaptação às transformações sociais e de mercado. Uma das funções do jornalismo é refletir e comprender os tempos e o público leitor. Por isso, Playboy é um interessante estudo de caso para a imprensa refletir sobre si mesma. Se quiser mesmo subsistir.

domingo, 17 de julho de 2016

A cura para o estresse e a depressão

Estima-se que uma em cada cinco pessoas em todo o mundo passe pelo menos uma vez na vida por um processo depressivo. Ele pode ser causado por um trauma e não voltar mais, ou ser recorrente. Mais frequente ainda é o quadro de estresse e ansiedade, que muitas vezes se tornam crônicos, a ponto de afetar a vida de uma pessoa e assim se configurar como doença.

À frente de uma série de outros transtornos de comportamento, a ansiedade, o estresse e a depressão são o tema mais frequente no gabinete do psiquiatra Breno Serson, que fica no Jardim Paulistano, em São Paulo. Por conta de seu trabalho, e do seu próprio temperamento, Breno é um explorador da alma humana. Para os males mais contemporâneos da civilização, ele busca respostas em todo lugar - na psicoterapia, na alimentação, no estilo de vida e, quando é o caso, nos remédios.

O importante para ele, no entanto, é a compreensão desses males frequentemente impossíveis de diagnosticar clinicamente, porque possuem diversas manifestações que formam um quadro clínico vago e e impreciso - coisas que doem ou incomodam aqui e ali, mas cuja causa está em outro lugar. Breno olha o ser humano como um todo, complexo, e que tem de viver melhor também em todos os aspectos. Ele é adepto de um certo holismo, que tem tudo a ver com as necessidades do homem contemporâneo.

Essa é a receita que ele prega em seu livro "Transtornos de ansiedade, estresse e depressões: conhecer e tratar", publicado pelo selo MG, da editora Summus. Ali é possível mesmo para um leigo reconhecer a si mesmo, entender seu problema melhor e o caminho para o tratamento, que, para Breno, nunca é apenas o remédio. A medicação, para o grupo de transtornos mais comuns aos quais ele dedica o livro, nunca é a solução completa, porque a causa desses males geralmente está na própria vida do indivíduo - no relacionamento com a família e o trabalho, na alimentação, no sono, nos seus dilemas psíquicos.

Breno é um intelectual tão antigo quando moderno. Inspira-se na filosofia grega antiga, tanto quanto nos mais modernos manuais de psiquiatria. Vai ao seu consultório de bicicleta, mora numa casa coberta de plantas que ali parecem prosperar como num santuário. Ele cuida bem de tudo, das coisas, das plantas, das pessoas. A atenção que dá aos pacientes, sua compreensão a fundo, é  o segredo de seu sucesso como clínico. E é também o principal ingrediente desse livro, que pode ser lido esclarecedoramente por profissionais do ramo e também qualquer um interessado em conhecer melhor a si mesmo ou ao próximo. E encontrar melhores caminhos.

*
Sentado em uma mesa de varanda em Gonçalves, onde almoçamos para comemorar a chegada do livro, Breno me diz que eu sou o "maiêutico", isto é, aquele que "dá à luz" alguma forma de conhecimento. A maiêutica consiste em um método filosófico imaginado por Sócrates para extrair a verdade "latente" no ser humano. Isto é, o conhecimento já está lá, precisa apenas vir à tona. A verdade aflora de uma série de perguntas, que primeiro questionam as ideias de quem as tem, e depois as reconstróem.

Ajudar alguém a escrever um livro funciona da mesma forma: nada mais é do que auxiliar aquele conhecimento a vir à tona. O conhecimento, as ideias, o pensamento são de Breno.Ele vinha há muitos anos pensando em escrever o livro, mas não conseguia colocá-lo no papel. Suas ideias, reflexões e conhecimento estavam lá. Eu lhe dei uma pequena ajuda na estruturação do texto e na linguagem, que ficou um pouco menos técnica e mais coloquial, para alcançar um número maior de leitores. Dessa forma, a obra saiu da mera ideia ou vontade para a realização no papel, da forma que ele desejava.

Para mim, foi um prazer. Primeiro, porque é raro ter a oportunidade de ajudar alguém e receber mais benefícios que a pessoa a quem se auxilia. Aprendi muito com Breno, não apenas sobre ansiedade e depressão. Ele é um livre pensador original, interessante e sobretudo humano, o que lhe dá outra dimensão como profissional. Sua abordagem tem ajudado efetivamente a muitos pacientes. É um prazer poder colaborar, não apenas com o livro em si e Breno, mas com todas as pessoas que agora poderão se beneficiar desse conhecimento e atingir, quando não a cura completa, pelo menos uma vida melhor.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Marco de Bari e a arte de viver com leveza

O fotógrafo Marco de Bari, que trabalhou por três décadas na Editora Abril, a maior parte delas em Quatro Rodas, costumava dizer de si mesmo que tinha um olho ruim e outro no qual faltava visão de profundidade. "Mas é o bastante para mim", emendava. Realizava tantas proezas, acho, por causa desse espírito. Bari fazia a vida parecer fácil. Mesmo diante das tarefas mais difíceis, encarava tudo com leveza. Lidava bem com as pessoas, que se tornavam suas amigas. E com o trabalho, apesar de muitas vezes complicado.

Eu o conheci em 1993, estranhamente, na África. Ele fotografava como freelancer para a revista Viagem e Turismo, então dirigida por Jorge de Souza, que estava conosco num grupo de jornalistas convidados a conhecer a África do Sul e o Quênia. Lá, entre outras peripécias, empurramos juntos uma van por oito quilômetros na lama, o "black cotton soil" da savana africana, num lugar infestado por hienas e leões.

Acompanhando o jogo por telefone, comemoramos quando o Palmeiras saiu de uma fila de 17 anos sem títulos. Ao final daquela dura viagem, pulávamos, ríamos, rodopiávamos no amplo saguão de um hotel de luxo em Joahnesburgo, em meio às senhoras britânicas, que nos olhavam com uma sobrancelha de espanto, enquanto tomavam o chá das 5.

Combinamos então que em toda decisão importante nós dois deveríamos estar em algum lugar distante do mundo, certos de que era isto o que tinha nos dado sorte. O Palmeiras foi campeão muitas vezes depois disso, mas sempre queríamos saber onde o outro estava nas decisões. E brincávamos com isso.




Quando voltamos ao Brasil, a capa de Viagem e Turismo foi a mais impactante: a foto fechada no rosto de um xamã, emplumado e pintado de múltiplas cores na pele negra e gretada, que dava toda a dimensão misteriosa e selvagem da África. Com ela, a revista ganhou naquele ano o prêmio Abril de "Melhor Capa". Quando saiu o resultado, ri quietinho. E Bari também.

O que a foto não contava era a esperteza de Bari e Jorge. Embora tenhamos entrado numa aldeia masai de verdade e conhecido um rei tribal, o personagem de capa na verdade era um malandro que ficava em um posto de gasolina, na estrada para Nairobi. Pintava-se e emplumava-se para fazer fotos com os turistas. Quando eu o vi, estava sentado numa cadeira, em frente à lanchonete, fumando um Marlboro. Jorge e Bari o levaram a um canto e ali fizeram a sua foto. Que lhes custou, como custaria a qualquer um, algo como cinco dólares.

Seu trabalho o levou a muitos países e Bari não hesitava em se arriscar de verdade para fazer a melhor imagem. Tinha uma visão original de tudo para o que apontava a lente, de um avião a um arranha-céu. Mas não se gabava nem tinha a vaidade de outros fotógrafos. Gostava de ensinar aos mais jovens e trabalhava em função da equipe, o que fazia dele um profissional ainda melhor.

Era um bom parceiro, boa companhia, e tecnicamente impecável. Em Quatro Rodas, firmou-se pelo detalhismo, o apuro técnico, a abordagem do jornalista. Fotografar um carro em jornalismo é muito difícil - e Bari sabia o que fazer. Ele conseguia mostrar o carro, ainda que estivesse em movimento. Você podia ver o cenário, ter a sensação de velocidade, mas podia enxergar a máquina, nas formas e em cada detalhe, como se ela estivesse parada sensualmente numa loja - e iluminada por dezenas de holofotes.

Ele também tinha paciência. Quatro Rodas, por exemplo, desmontava seus carros de teste, peça por peça, para mostrar seu desgaste. Aquilo tudo era perfilado no chão e fotografado, mostrando o carro inteiro desmanchado. Era uma composição: e Bari fazia aquilo como ninguém.


Com 53 anos, Bari era jovem e cheio de vida. Adorava falar de seu time, e eu costumava brincar com ele que, por entender tanto de carro e futebol, devia também entender alguma coisa de mulher. Era casado com Juliana, tinha uma filha, Nicolle, e era 100% família - ou coração. Estava trabalhando quando a viga de um estúdio caiu em sua cabeça, matando-o e ferindo gravemente seu assistente, Daniel, de 25 anos. Morreu como viveu, trabalhando, fazendo o que gosta. Procuro ter seu espírito leve e pensar no que ele diria para nos animar, depois da sua perda, tão repentina, injusta, inaceitável. Mas não é fácil ser como ele. Estou tentando.

Cristiano Ronaldo, Messi e a sina do ganhador

Até o final de semana passado, Cristiano Ronaldo enganava muita gente. Sofreu por muito tempo com o estigma do vaidoso: o carrão, as mulheres, a exuberância física, que ele não cansa de mostrar, faziam dele mais um galã brega do que ídolo nacional de futebol. Mesmo ganhador da bola de ouro, muita gente o colocava abaixo do argentino Messi no posto de melhor jogador do mundo. Porém, bastou uma fim de semana, em que ele jogou apenas 12 minutos, para tudo mudar.

Enquanto Messi perdia com a seleção argentina a disputa do terceiro título consecutivo, e deixava a imagem de joelhos no gramado, ao desperdiçar o pênalti fatídico que deu o título da última Copa América ao Chile, Cristiano Ronaldo desfrutava um título improvável: o de campeão da Eurocopa com a limitada, porém guerreira equipe de Portugal. E deixava clara, afinal, qual é a diferença na sina dos craques, que os faz serem não apenas campeões por seus clubes, como entrar para a história na primeira fila dos ídolos dos futebol.

Messi de joelhos e Cristiano beijando a taça: a diferença do campeão


Campeão da liga europeia este ano com o Real Madrid, CR7 levou seu Portugal ao maior título da história do país, coisa que outros grandes craques portugueses do passado, como Eusébio e Figo, jamais conseguiram. Surgiu um jogador diferente. Em vez do puro-sangue português, mostrou-se um líder. Viralizou na internet o vídeo em que ele estimula o companheiro Moutinho a cobrar um pênalti. "Você bate bem", diz ele no vídeo, convocando o companheiro, praticamente à força. "Se perdermos, que se foda", arrematou, no bom sotaque português.

Claro que Cristiano não queria perder: apenas dizia, com um palavrão, dentro do contexto do futebol, que a essência do jogo é não ter medo. Na final contra a França, favorita e dona da casa, depois de uma campanha sofrida, em que ganhou apenas uma partida de forma incontestável, ainda assim contra a mediana equipe do País de Gales, Portugal viu seu principal jogador ser tirado de campo por uma botinada maldosa do adversário aos 12 minutos de jogo. Porém, ao lado do campo, Cristiano continuou jogando com o time, praticamente ao lado do técnico. Uma liderança que fez a diferença.

Com isso, Ronaldo passou para a segunda categoria dos grandes craques da história. Na primeira, incontestável, está Pelé, que jogava um grande futebol e foi tricampeão mundial pela seleção brasileira, integrante maior de grandes esquadrões. Na segunda galeria, estão craques que levaram times não tão bons à conquista máxima do esporte. Como Romário, astro que liderou a diligente mas pouco brilhante equipe do Brasil ao tetra campeonato. Ou Maradona, que também foi uma vez campeão do mundo, com uma seleção argentina que praticamente carregou nas costas.

No terceiro estágio, há uma categoria de grandes craques que nunca conquistaram títulos importantes pela seleção. Astros campeões por seus clubes, nunca conseguiram o mesmo sucesso no time nacional. Cruyff, da Holanda de 1974, vice depois de derrota para a Alemanha, é o grande expoente dessa categoria. O segundo foi Zico. Craque incontestável, com seus dribles em diagonal para dentro da área, a cobrança de falta certeira, é o jogador com quem Messi mais se parece. Inclusive no destino.

Zico também perdeu o pênalti contra  a França que poderia ter feito o Brasil ir até a final, na seleção de 1986. E também naufragou no Sarriá, com a grande seleção de 1982, diante da Itália que, frente ao Brasil, pareceu pequena e vencedora graças a golpes de sorte, mas também era uma grande equipe.

Messi é um grande craque, mas está, na qualidade e na sorte, no patamar de Cruyff e de Zico. Não chegou a Romário e Maradona, muito menos a Pelé. Perde diante de Cristiano Ronaldo pela falta de energia nas decisões: enquanto o português mostra fibra, se agiganta, ele decresce. Declarou após a derrota que a seleção "não é para mim". Aos 29 anos, tem agora poucas chances de mudar essa história.

Cristiano Ronaldo ainda não ganhou uma Copa do Mundo. Mas o título de Portugal é inédito e histórico e agora ninguém duvida que ele tem o DNA do campeão. Não apenas sabe jogar futebol. Tem o queixo erguido, a vontade férrea, a capacidade de lutar. E isso vale, mesmo quando não se está jogando. Porque não se é campeão apenas dentro de campo. Um campeão tem de fazer também parte de uma equipe, levá-la à vitória. Essa é a qualidade que deixa um jogador maior.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

O Brasil da Europa

Aeroporto de Antuérpia, onde desci num Fokker a hélice que me lembrou outros tempos, vindo de Londres. Uma fila maior para passar no setor de passaportes, outra menor, e eu, verdadeiramente distraído, vou na menor, é claro, e ao chegar ao guichê apresento meu passaporte brasileiro.

"Mas o senhor não viu que aqui é para passageiros da comunidade europeia"? - pergunta o homem da polícia federal deles. "Não", digo eu, erguendo os olhos para a placa. "Não tem problema", ele diz, e abre o passaporte mesmo assim. Pergunta o que vou fazer. "Estou acompanhando minha mulher, que é jornalista, vai escrever sobre as novidades no porto da cidade. " "Fica quanto tempo?", ele quer saber. "Dois dias." "Dois dias,mas que pena! É pouco!"

Saio com o passaporte na mão, carimbado, já meio desconfiado. Nao esperava tanta receptividade. Mas em Antuérpia todos dizem que estrangeiros são bem vindos. Inclusive para ficar por lá, se quiserem, para sempre. Como o Brasil, que também recebe qualquer estrangeiro de braços abertos. Até criminosos internacionais, como o simpático Ronald Biggs, falecido assaltante de trens na Inglaterra, que no Rio era celebridade e circulava no high society.

Na porta do aeroporto, devia estar o motorista do transfer reservado pela agência, que nos levaria ao hotel. Mas não havia ninguém: o saguão estava às moscas. Depois de quase duas horas de espera e alguns telefonemas, descobrimos que ele nos esperava, sim, no aeroporto - mas em Bruxelas. Tomamos um táxi. A Bélgica ia ficando estranhamente mais parecida com o Brasil.

Entramos um táxi comum: lá, uma Mercedes refrigerada. Para nossa surpresa, o motorista, um lourão com jeito de ex-surfista, fala com a gente em português. "Mas você é de Portugal?", pergunto. "Não", diz ele. "Este país é muito chato. Então tenho uma casa em Lisboa. Toda quarta-feira aqui tem um voo de 25 euros para Lisboa. Vou para lá." O belga fala mal de seu país assim como nós. Seu sonho também é ir embora. Só não se fica em Lisboa porque lá, segundo ele, não há emprego.

O saguão do hotel Radisson é bem diante da estação monumental de trem, um verdadeiro templo dos transportes, que os belgas inauguraram em Antuérpia para que todos os que estão de passagem prestem um pouco mais de atenção ali. Há um quase comovente esforço para agradar e chamar a atenção. A cidade, embora seja dentro do continente, graças ao rio Escalda é um antigo e célebre porto, hoje ultramovimentado, como uma das grandes portas para o comércio ao norte da Europa. Mas se acostumou a ver navios, ou melhor, marinheiros, que estão sempre de passagem. Hoje, na sua população de meio milhão de habitantes, há chineses, africanos e outros migrantes, além dos belgas, que parecem minoria. Mas ainda sinto no ar o cheiro do Brasil.

"Os senhores não têm reserva", diz o moço do balcão. Repetimos nome e sobrenome: é fácil o pessoal se confundir no estrangeiro quando entram no hotel Cleci e Guaracy. Mas não foi essa a questão. A agência, a mesma que marcara a passagem aérea e o transfer, havia feito a reserva do hotel, sim, mas para o dia anterior. "Xi", pensei. "Não tem problema", disse o moço do balcão. "Os senhores podem deixar a mala aqui e dar uma volta, daqui uma hora estará tudo resolvido." E assim aconteceu.


A Bélgica é um país pequeno. Antuérpia é uma linda cidade, meio caótica, com um porto que representa a maior parte do município, mas tem um centro adorável, de edifícios antigos, onde se anda entre bares e monumentos históricos. O povo é acolhedor e faz de tudo pelo visitante. Parece o paraíso, como o Brasil. Mas é estranha essa sensação de que ali nada dá muito certo, ainda que haja sempre um jeitinho para resolver. O jeitinho belga. Primo do jeitinho brasileiro.

Esse não é o único traço do comportamento belga que me fez sentir em casa em Antuérpia. Fomos a uma recepção na prefeitura, um prédio clássico de pé direito alto, digno de reis e rainhas. Ali se realizam tradicionalmente os casamentos da cidade, no salão onde nos recebe o chefe do porto. Uma herança de tempos ricos, em que os belgas procuravam se equiparar aos franceses em riqueza e classe, amparados no movimento do porto e na tradição reluzente da cidade como centro mundial da lapidação e comércio de diamantes.

Diante de uma plateia internacional de jornalistas, o homem do porto começa seu discurso. "Vou falar agora o que direi amanhã, na inauguração da nossa eclusa, para o nosso rei", começa ele. "O rei não manda nada, mas quem interessa ouvir o que vou falar vai estar lá também." Paro, maravilhado. Ali está, mais uma vez, a vocação do brasileiro. Que ele confirma ao desdenhar também do prefeito. Diz que faz piada com o principal mandatário local porque controla "a maior parte da cidade". E responde, claro, pela sua economia.

Vestido num paletó bem cortado, com um cavanhaque aparadíssimo, está no cargo há dez anos e no dia seguinte vai inaugurar sua grande obra, pela qual diz ter lutado toda aquela década - uma eclusa que vai facilitar o trânsito de uma importante área de docas. O porto de Antuérpia foi criado por Napoleão e ficou fechado por três séculos, devido à pressão estrangeira. Agora floresce e está livre. Mas o homem ali me parece mais Odorico Paraguaçu, o político provinciano de O Bem Amado.

Reza a lenda que o porto não surgiu com Napoleão, e sim um gigante mitológico, chamado Antigoon. Esse gigante ficaria ao lado do rio e cobrava pedágio daqueles que queriam entrar na Europa por ali. A quem se recusava a pagar, Antigoon cortava a mão, atirando-a ao rio. Até que o herói Brabo cortou a mão do próprio gigante e a jogou no Escalda. Sua estátua está diante da prefeitura de Antuérpia. É uma bela estátua, erguida sobre uma base de vinte metros de altura. Mas no pé do herói, no dia em que o vi, trazia dependurada uma calcinha, que algum gaiato deu jeito de enfiar ali.



Para quem gosta de semelhanças, não podia faltar o futebol. A Bélgica era apontada como uma das grandes favoritas à Eurocopa. Juntou um time respeitado em toda a Europa, com jogadores que atuam nos principais clubes europeus. Do goleiro Cortois ao jovem astro De Bruyne, passando pelo hábil meio-campo Hazard, o cabeludo Fellaini e o aplicado Kompany, essa é tratada como a "geração de ouro" do futebol belga. Pois de saída perdeu da desacreditada Itália e acabou desclassificada diante do inexpressivo País de Gales. Como o Brasil, a Bélgica também superestima seus dotes e talentos no futebol. E consegue fiascos como os nossos, na história recente.

A Bélgica ainda não tem um nível de corrupção monstruoso como o brasileiro, a única coisa em que parece levar desvantagem diante do Brasil. Mas não deixei de me consolar. Saí de lá aliviado. Podemos ser um país meio esquerdo, mas não somos os únicos. Claro, a Bélgica é menor que o Estado do Rio de Janeiro. Mas está provado que gerenciar um país não é questão de tamanho. Você pode administrar qualquer coisa como o Brasil. Seja do tamanho que for. E acreditar que, no final, dá certo.