segunda-feira, 23 de março de 2020

Uma plataforma para a reconstrução do Brasil


"Desde o seu começo, o Brasil é iludido com o próprio mito do paraíso tropical. A terra farta e benfazeja permitia ao índio e ao português recém-chegado não se preocupar com o amanhã, enquanto em outras terras gente endurecida e trabalhadora lidava com o frio, as intempéries e a escassez em geral. Os primeiros se tornaram os colonizados. Os segundos, os colonizadores.

A epidemia do vírus corona pode trazer algo de bom e novo ao Brasil: a consciência de que estamos sujeitos não apenas à exploração alheia, como a desgraças de verdade, que exigem uma resposta coletiva, em que todos podem e devem empenhar-se na busca pela solução. 

É certo que a pandemia deixará sequelas importantes na economia mundial. Países mais desenvolvidos, porém, já passaram por coisa muito pior, incluindo duas guerras mundiais. Aprenderam, no pior, que pode-se sair melhor do outro lado, depois de um esforço de reconstrução. 

A falta de familiaridade com a dificuldade ou de consciência da gravidade da crise fez o governo brasileiro pensar que medidas comuns, como um simples ajuste de contas do setor público e medidas liberais da economia, podiam tirar o Brasil da miséria em que se encontra. Pois essa ilusão desapareceu de vez agora que a crise se aprofunda com a paralisação da economia diante de um cataclisma mundial. 

O presidente Bolsonaro entrou numa fase de Dilmização. Confuso, anda obcecado por seus fantasmas, especialmente a perseguição da imprensa, e provavelmente abalado com as investigações que rondam sua família. Agarra-se ao poder como sua salvação. Não é a melhor forma de tomar decisões para o país. 

Precisamos pensar desde já na reconstrução do Brasil depois dessa crise. Não estamos acostumados, mas temos de elaborar um plano exequível e reto de reconstrução nacional a curto, médio e longo prazos. Isso significa um tempo de economia de guerra, para a retomada da produção. 

Esse plano não pode contemplar somente o setor financeiro, como especialmente o produtivo, com emprego de mão de obra maciça, começando pela construção civil. A produção e a renda têm de ser a prioridade. Além da tecnologia, da qual temos pouca, só o trabalho gera riqueza. Temos de ser, nesse aspecto, uma nova China. 

O Brasil precisa se colocar em movimento, sem achar que as coisas, como sempre, serão resolvidas sozinhas, ou num passe de mágica. Temos de abolir o DNA indígena que ainda há dentro de nós. Não adianta cair no paternalismo de sempre, esperando do chefe os presentes - e os resultados. 

Do operário ao capitão de indústria, teremos de arregaçar as mangas. Todas as grandes potências do mundo saíram ricas depois das mais catastróficas experiências de guerra. A guerra ou as crises profundas são o que nos obriga a melhorar, tirando a sociedade da letargia e da confusão. 

Mais do que de um remédio contra o corona, o Brasil precisa, democraticamente, e com a participação de todos, de uma direção.

quinta-feira, 19 de março de 2020

Um grande teste para a Humanidade

O calor humano: prova mais dura
Sábado passado, tive uns sintomas gripais. Garganta rascante, um pouco de moleza, peito meio atacado. Sem febre, porém.

Corona virus, pensei. Desde então, não tenho certeza de que tenho mesmo o bicho: exames são para pacientes mais graves, que exigem internação. Não iria a um hospital para atrapalhar quem realmente precisa.

Ainda assim, a vida mudou. No domingo, faltei à minha própria festa de aniversário, que iria celebrar com minha irmã Lara, também aniversariante. Primeiro pensamos em meu pai, que já está com mais idade, depois nas crianças. No fim, achamos melhor cancelar tudo. Recebi de Lara um pedaço do bolo de sorvete com bolacha Oreo, em casa.

Eu não me importo de ficar trancado em casa, de quarentena. Escrevo o dia inteiro e minha rotina não mudou muito, ao contrário de outras pessoas que precisam sair para trabalhar. E não tenho me sentido tão mal a ponto de achar que estou sofrendo. Seria cabotinice me fazer de vítima. Porém, o isolamento traz coisas muito duras.

Uma delas é não poder ver meu filho. Diz meu médico, dr Virgílio, que precisamos ficar isolados por 14 dias, desde o início dos sintomas. Falo com André pelo WhatsApp. É triste não poder estar perto, dar-lhe um beijo, ou um abraço.

Leio que na Itália, por conta do isolamento, vítimas da epidemia são enterradas sem sequer um velório ou a oportunidade de um último adeus aos parentes.

Me dou conta mais vivamente de quanto somos dependentes do calor das pessoas que amamos. Isso, sim, me faz muita falta.

Eu e André inventamos o abraço virtual. Com a câmera ligada, a gente bota o celular no peito, como se estivesse trazendo o outro pra junto. Ele dá risada. E dizemos tchau.

Eu já sou veterano de epidemias, que não são novidade nenhuma no mundo. Há nem tanto tempo, teve a do H1N1, que trazia preocupação, porque meu enteado, João, então adolescente, tem asma. Acabou pegando a gripe, felizmente sem consequências mais graves.

Quando eu era criança, na quinta série, lembro de ficar um tempo também sem aula, por conta de um surto de meningite. Houve uma extensa campanha de vacinação e a vida voltou ao normal.

Nenhuma epidemia, porém, foi tão importante, perigosa e mudou tanto o mundo quanto a da Aids. Posso dizer que tive sorte, porque, apesar de ser então bastante jovem, sempre fui de ter uma namorada só. Essa estabilidade provavelmente me salvou do destino de muitos da minha geração - entre eles, alguns amigos, parentes e conhecidos.

A Aids foi terrível porque, no começo, ninguém sabia da sua existência. O contágio era pelo sexo ou pelo sangue, algo mais restrito que epidemias espalhadas por via aérea como as gripes, mas, quando alguém se descobria doente, já estava marcado para morrer. Cazuza foi o símbolo dessa era, mas muita gente morreu assim.

A Aids mudou o mundo radicalmente. Levantou uma onda moralista e trouxe dias negros de discriminação contra os homossexuais, que eram as principais vítimas da doença.

Fez muita gente rever o comportamento. Por um longo tempo, instaurou o terror. Lembro de um amigo que entrou em casa certa noite, apavorado. Descobrira que uma garota com quem tivera uma noite de luxúria acabara de morrer da doença. Viveu desarvorado até receber o resultado do teste, felizmente negativo.

Eu mesmo fiz o exame. Abrir aquele envelope era como esperar de César o polegar, para cima ou para baixo.

O tratamento da Aids demorou a ser melhorado. Primeiro, procurou-se prolongar a vida dos pacientes. Surgiram os "coquetéis" de remédios.

Muitos ficavam enfraquecidos e morriam de doenças outras, chamadas de "oportunistas", que se instalavam por conta da queda de imunidade.

Pouco se fala hoje da Aids, em boa parte porque se conseguiu mantê-la sob certo controle, mas é uma das três doenças que mais matam no mundo, sendo a primeira a velhíssima tuberculose.

Estamos agora diante de outra epidemia em escala mundial. Exige cuidados e sacrifícios. Vai deprimir a economia, mas ela serve à vida humana, e não o contrário. A vida humana está acima do dinheiro. Sabemos que será duro, mas sobreviveremos.

Acredito que provaremos algumas coisas. Possuímos recursos que não existiam já nos anos do H1N1. Hoje, a economia gira em grande parte de forma virtual, o que nos torna menos dependentes do contato direto. A conscientização hoje é maior e a volta do cataclisma será mais rápida.

A pandemia pode ser também um remédio para uma sociedade globalmente estressada, tendendo para a cizânia. Hoje podemos enxergar melhor, acima das diferenças, que o destino de cada um de nós depende do trabalho e do comportamento harmonioso da coletividade.

Em vez de criar barreiras, estimular preconceitos e produzir discriminação, uma epidemia com esse alcance produz algo que anda em falta na sociedade contemporânea; união e solidariedade. Aquilo que define a própria noção da Humanidade. Só com ela poderemos continuar.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

Um amigo vira uma estrela


Nos lançamentos dos meus livros, sempre aparece gente com uma história inesperada, que vem pedir algo estranho, ou contar algo surpreendente. Nada, porém, teve sobre mim impacto maior que aquela vez.

No dia 20 de maio de 2016, lancei na livraria da Vila, no Shopping Higienópolis, meu livro "A Conquista do Brasil". Na fila de autógrafos, apareceu então uma antiga colega de faculdade, Rosângela, que colocou sobre a mesa um livro diferente: Campo de Estrelas, romance lançado pela editora Globo, quase dez anos antes.

- Queria que você autografasse este, para o meu marido - disse ela. - Ele se chama Shin.

- Mas não é esse o livro que estou autografando! - eu disse.

- Tem que ser esse...

Rosângela contou estão sua história. Seu marido tinha sido diagnosticado com um câncer de pâncreas. No hospital, para distraí-lo das dores, ela resolveu ler para ele. Escolheu Campo de Estrelas. Todos os dias, lia para Shin um pedaço do meu romance.

Estranhei ela estar sozinha, ali. Pensei que Shin pudesse já ter morrido. Ou que poderia estar ainda no hospital.

- O que aconteceu com ele?

- Está aqui! - disse ela. - Mas pediu para eu vir no lugar dele.

- Traga ele aqui -, pedi. - Quero conhecê-lo.

Rosângela saiu. Atendi mais duas ou três pessoas na fila. Voltou Rosângela, com Shin. Fiz-lhe o autógrafo e levantei para conversarmos.

- Thales, me desculpe, mas eu não estava com coragem para vir falar com você - ele disse. - Você não sabe como seu livro foi importante para mim. No hospital, todos os dias, eu queria viver até o dia seguinte, para saber o que aconteceria na história.

Para quem não sabe, Campo de Estrelas conta a viagem aventuresca de um pai com o filho para Machu Picchu, narrada pelo filho, quando ele se trata de um câncer. A inspiração, claro, sou mesmo, que tive um pólipo na bexiga em 2003.

- E o que você faz? perguntei.

- Eu sou médico - disse Shin. - Chefe do departamento de cirurgia do tórax do Hospital das Clínicas.

Aquilo me deixou profundamente impressionado. Um médico, achando que eu o "salvara"?

Shin me lembrou de Eric, o médico que me atendeu, quando fiquei doente. Eric escondia de todo mundo - incluindo da própria mulher, também médica, assim como dos filhos, e toda a sua equipe - que ele mesmo tinha câncer de próstata, incurável.

Descobrimos a doença, eu e Eric, mais ou menos na mesma época. Ele dizia que eu tinha "sorte", por ter descoberto a doença a tempo de curá-la. Eu não entendia nossas conversas, nas quais ele me fazia muitas perguntas. Achava que estava interessado em mim.

Eric virou personagem em Campo de Estrelas. No romance, identificado como "Roger", narro como ele trabalhava como louco, tentando salvar todas as pessoas que podia. Atendia em seu consultório até as duas da manhã e às seis já estava no hospital, operando.

Só revelou estar doente em 2008, quando deu entrada no Einstein, onde operara milhares de pacientes. Todas as nossas conversas, então, mudaram de sentido. Eric me fazia perguntas, mas queria as respostas para ele mesmo. Entendi o que quisera dizer ao afirmar que eu tivera "sorte" de descobrir a doença a tempo. Ele mesmo não a tivera.

Eric vivia seus últimos anos de vida numa corrida para salvar quem podia. E não desperdiçava um minuto.

- Se você tivesse somente algum tempo de vida, o que faria? - perguntou ele, quando o visitei, no hospital. - Tiraria férias?

- Escreveria - eu disse.

- Então. Continuei fazendo o que eu faço.

Ao lado do leito, de onde ele continuava comandando sua equipe, li para ele algumas páginas de Campo de Estrelas, nas quais ele aparecia.

- Você devia ter colocado o meu nome - disse ele.
Foram as últimas palavras que Eric Roger Wroclawski proferiu para mim.

*

Eric faleceu em 2009, mas Shin ainda estava bevm vivo. Fui a um jantar em sua casa, organizado por Rosângela, uma jornalista com pendores artísticos, como eu. Como aconteceu com outras pessoas, meu livro produziu uma reaproximação. Daquela vez, porém, havia um sentido maior. Rosângela colocou a mim e a outros amigos dentro de casa para trazer alegria a Shin, mas foi para nós que ela acabou trazendo outro espírito.

Tive a a oportunidade de conviver mais com ele quando, com Rosangela e um grupo de amigos da faculdade, Shin foi até nosso sítio para uns dias de descanso. Estava bem disposto, em uma fase entre tratamentos. Nunca deixava transparecer dor, tristeza, angústia, sofrimento.

A simplicidade e os hábitos orientais - tirar os sapatos dentro de casa, a humildade, o respeito ao próximo, a atenção - se juntavam à modéstia em relação ao que ele fazia. Para mim, isso tornava Shin um homem maior.

Havia naquele coreaninho abnegado algo de heroísmo. Contava para isso sua incrível serenidade diante da ironia do destino, por não dar poder, àqueles que salvam, de salvarem a si mesmos.

Shin faleceu esta manhã de sexta-feira. Teve vida extraordinariamente longa após o câncer, pelo tipo de doença que o acometeu. Desde que eu o conheci, pôde ainda ver o nascimento de uma linda netinha, com quem conviveu. Completou sua bela família, com filhos e aquele espírito que se parece com a paz dos jardins orientais. Viajou. Lia diariamente o livro que Rosângela foi escrevendo, todos os dias, enquanto ela o escrevia.

Para mim, ficou um exemplo quase impossível de seguir. Poucos têm a dignidade de Shin diante da morte. Eu não sou capaz de aceitar assim, em paz, o fim. Eu me revolto, blasfemo, luto contra o inevitável. Não aceito a injustiça da condição humana, que nos dá a vida apenas para tirá-la, depois que lhe emprestamos algum significado.

Por isso, escrevo, como Eric, incansavelmente, como se tudo fosse acabar amanhã. (E agradeço, pois depois da doença puder ver nascer e crescer meu filho e ter muitas alegrias que jamais tinha sequer imaginado).

Sei que não podemos morrer miseravelmente. Os orientais, como Shin, crescem diante dos fatos cabais. (Quem tem medo morre como um cachorro, diz um ditado samurai). Têm o poder da resignação.

Shin via a vida como passagem. Os orientais, na morte, libertam-se do sofrimento terrestre e seu espírito plana no tempo. Somos partes do universo e continuamos fazendo parte desse imenso organismo que ninguém explica.

Essa é, para mim, a maior forma de fé.

Vá, querido amigo. Mas, talvez, eu nunca mais vá querer reler Campo de Estrelas, porque as estrelas já são tantas que ando a carregá-las com o peso todo do céu.