segunda-feira, 15 de julho de 2013

O verdadeiro capital de um conquistador


Conheci Ivan Martins em meados da década de 1980, quando ele era um jovem editor assistente da seção de Economia, na revista Veja, onde era meu chefe, embora nunca tenha me tratado como tal. Ivan sempre teve uma simpatia especial, manifestada na maneira de lidar com as pessoas, interessando-se realmente por elas. É um persistente dissecador de ideias e sentimentos, o que fez dele tanto um jornalista bem sucedido quanto, na vida pessoal, um conquistador de mulheres.

Hoje, não é mais o carro potente, a cintura de toureiro ou a extração bancária e social o maior capital de um conquistador. Neste mundo em que as mulheres ficaram exigentes o bastante para dispensar os antigos chavões, o verdadeiro instrumento da conquista é o conhecimento – entendido não apenas como educação e cultura, como aquela capacidade de compreender o relacionamento e cativar o objeto do desejo de uma maneira espirituosa, afetiva e inteligente. Ivan sempre foi um conversador – e resolveu empenhar esse talento na camaleônica análise do sexo e do relacionamento entre homens e mulheres, por meio de um blog abrigado no site da revista Época, onde é editor executivo. Construiu, assim, um painel de seus próprios pensamentos que mostra bem como deve ser o conquistador contemporâneo: conhecedor, articulado e, mesmo quando em dúvida, capaz de dialogar de uma forma inteligente e instigante.

Sem ser psicanalista, ou qualquer outra coisa que o gabarite oficialmente a ser um profissional do ramo, Ivan sabe destrinchar assuntos complicados como os da Economia, transformando-os em algo que a maior parte das pessoas possa compreender. Possui a habilidade dos bons jornalistas para explorar e apresentar questões complexas de maneira organizada, o que facilita o chamado insight: aquela luz que provoca no leitor sempre uma identificação, uma ideia nova, um caminho a seguir – um entendimento maior. Com isso, mais a temática certeira, o blog foi se tornando bastante frequentado. Os seus melhores textos são agora reunidos no livro Alguém Especial (Editora Saraiva, selo Benvirá), que acaba de ser publicado, incluindo também cinco textos inéditos. Com o livro, Ivan acaba se tornando, de fato, um especialista, pelo que se vê do conjunto da obra, tão divertida, interessante e atual que vale a pena até mesmo ser revisitada por quem já conhece algumas de suas crônicas pelo blog.

Como o próprio Ivan admite na introdução do livro, suas crônicas nasceram de uma permanente e jamais resolvida preocupação pessoal. Ele sempre foi um pensador labiríntico, o que, a despeito de suas qualidades, o levou a ter uma vida pessoal bastante baseada no método da tentativa e erro. Na sua já longa carreira como ser humano, além de jornalista, casou-se, teve filhos, vários relacionamentos antes e depois dos filhos. Foi dependente da ex-mulher quando morava em Londres (só ela trabalhava), já quebrou a cara apaixonado por uma mulher que o desprezou, já deixou mulheres na mesma situação. Experimentou a vida a dois (e a sós) criando filhos, uma fase que sempre nos deixa emocionalmente em perigo (e fisicamente alquebrados). Já namorou mulheres mais velhas. Hoje, está casado com uma bem mais nova.

Esse grande laboratório pessoal é um dos maiores capitais de Alguém Especial, no qual Ivan fala abertamente de questões de todos nós, a partir da sua própria experiência. Une esse arsenal à vocação do jornalista, que se mantém ligado nas mudanças de comportamento, ideias e costumes. Isso fez dele alguém sempre aberto, jovem e antenado com as questões que afligem as pessoas nos dias de hoje. Se sua abertura para as mudanças pode ter lhe trazido problemas, porque fazer perguntas é uma forma de perturbação da ordem, antítese da paz interior, por outro lado é a virtude que permitiu sua adaptação aos tempos e a se manter sempre vivo e interessado por tudo.

Claro que Ivan não encontrou ainda o caminho seguro da felicidade, nem para ele mesmo. Mas é que isso não existe. A vida é um permanente desafio de compreensão e mudança, e a felicidade é um bem bailando no ar. Mas seu livro nos dá muitas pistas de como podemos melhorar. Alguém Especial não é apenas um livro para as mulheres entenderem e conquistarem homens, ou os homens entenderem e conquistarem as mulheres. É sobretudo para os leitores entenderem a si mesmos – especialmente os que mantém arrastando pelos pés aquele bloco de dilemas que nos persegue em qualquer fase da vida, como solteiros, namorados, noivos, casados e descasados. É um livro corajoso, pelo que o autor revela de si mesmo. Espirituoso, às vezes divertido, porque capta a natureza um tanto picaresca da vida amorosa. E útil como um manual de administração para quem quiser navegar no mundo do coração sem sentimentalismo.

(Publicado originalmente na Playboy de junho de 2013 - http://www.playboy.com.br)

Nenhum comentário:

Postar um comentário